Considerando que a habitação própria, em regime de propriedade horizontal, é para cerca de 4 milhões de portugueses uma realidade e que para uma parte significativa destas pessoas constitui um investimento muito significativo para o património familiar, a sua boa gestão e conservação deverá ser, na perspetiva da APEGAC, uma questão merecedora de grande atenção e cuidado.

Se acrescermos a este facto a obrigatoriedade de cumprimento de normas e requisitos legais inerentes à condição de proprietário e de condómino, nomeadamente nos campos da fiscalidade, da segurança das relações laborais da responsabilidade na manutenção e reabilitação urbanas, para além da necessidade de uma gestão cuidada, atenta e independente dos recursos inerentes à gestão da compropriedade, a APEGAC recomenda que a contratação de uma empresa de gestão e administração de condomínios será, seguramente um valor acrescentado na gestão patrimonial e na qualidade de vida dos condomínios.

Esta recomendação não deixa de entender que os condóminos deverão ser criteriosos na seleção e contratação de prestadores de serviços, de forma a assegurarem que a gestão e administração do seu património comum serão adjudicadas a uma entidade, com qualificações e competências específicas, dedicada à gestão e administração de condomínios.