Aproxima-se o dia do III Congresso da APEGAC – Associação Portuguesa de Administração de Condomínios (28 de Outubro) e não resisto a fazer um apelo à participação de todos os profissionais de administração de condomínios. Esta é mais uma oportunidade para demonstrarmos a nossa capacidade de debatermos o futuro de uma atividade profissional de grande exigência e capacidade técnica e humana, que exige conhecimento em áreas tão distintas como a gestão, contabilidade, direito, engenharia, psicologia, entre outras. Atrevo-me a dizer que é uma atividade indispensável à nossa sociedade atual.

Há mais de uma dezena de anos que a APEGAC vem desenvolvendo um trabalho de implantação não só entre os seus pares, como também na sociedade civil, colaborando na formação de profissionais competentes e transmitindo à opinião pública a exigência não só dessa competência como, sobretudo, de rigor e transparência.

Como em todos os sectores de atividade, nem todos os profissionais de administração de condomínios dignificam a classe, por isso mesmo, uma das principais bandeiras de todas as direções da APEGAC foi e continua a ser a regulação da atividade, de forma a criar mecanismos de formação, orientação, fiscalização e práticas consentâneas com a confiança que em nós depositam os condóminos deste país. Apesar desse desiderato ainda não ter conseguido, nem sequer haver a certeza de o virmos a alcançar, não é motivo para cair no desânimo ou para deixar que as coisas se mantenham como estão, criando insegurança ao consumidor final e desconfiança deste em relação a nós, profissionais do sector, empenhados na sua credibilização. Por isso mesmo, o caminho da autorregulação que a atual direção está a prosseguir é, na minha modesta opinião, o mais correto. Aliás, este caminho foi aberto pelos fundadores da APEGAC quando criaram o nosso código deontológico. Com a autorregulação evidenciaremos ao mercado quem está disposto a assumir práticas que gerem confiança e, por sua vez, motivem o sector para a sua modernização. O mercado saberá depois escolher e fazer a necessária separação entre o que é um serviço de qualidade e confiança e um serviço de destruição do mercado com práticas de preço abaixo do custo que só podem estar suportadas por serviços que não são de administração de condomínios.

Esta e muitas outras questões que a todos nós, profissionais deste sector, interessam, serão abordados no próximo congresso, já daqui a 3 dias. Unamo-nos em redor da direção da APEGAC e contribuamos, com a nossa presença e participação neste congresso, a construir um sector forte e credível. Todos sabemos que aos profissionais de administração de condomínios se há coisa que lhes falta é tempo, tal é a sua ocupação na resposta às constantes solicitações dos seus clientes; no entanto, o tempo que passemos em formação ou discussão dos problemas que nos preocupam, não é tempo perdido, pelo contrário, é um tempo de enriquecimento e de obtenção de energia para enfrentar o futuro da nossa atividade profissional com esperança.

Conto convosco. Até sexta-feira.

* Presidente da Mesa da Assembleia Geral da APEGAC