Na sequência da crise provocada pela atual pandemia, são muitos os alojamentos locais de Lisboa e Porto que deverão ser reconvertidos em habitação, quer para venda, quer para arrendamento.

Eduardo Abreu, Partner da Neoturis, avança à que “há muito alojamento local no Porto e em Lisboa que vai acabar. Centenas de apartamentos deste mercado irão para o arrendamento tradicional ou para venda para habitação2, consequência da quebra abrupta da procura turística.

Para o especialista, “como falamos de centenas, isto poderá ter algum impacto na oferta existente e no preço do imobiliário residencial”, avisa.

Acredita também que, aquando da retoma, alguma da procura do alojamento local poderá vir a ser direcionada para a hotelaria, mas que não será um fator significativo: “não irá substituir as perdas que a hotelaria irá ter, seguramente”.

O responsável admite que o mundo e o setor atravessam “uma situação completamente nova, que não é nem um atentado nem uma crise financeira. O impacto é completamente global”. Por isso, a Neoturis tem “muitas dúvidas sobre a velocidade de recuperação do mercado” turístico já no verão.