O valor a que os bancos avaliam as casas fixou-se em 1.131 euros por metro quadrado em outubro, o mais elevado de que há registo.

O valor a que os bancos avaliam as casas no âmbito da concessão de crédito à habitação voltou a subir no mês passado e alcançou um novo máximo histórico. Segundo os dados divulgados esta sexta-feira, 27 de novembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor mediano do metro quadrado fixou-se nos 1.131 euros, o mais elevado de que há registo.

Os valores atribuídos pela banca às casas voltam, assim, a aumentar, depois de, em setembro, terem registado uma estagnação em relação ao mês anterior. Os 1.131 euros por metro quadrado registados em outubro representam uma subida de 0,27% (ou mais três euros) face a setembro e um aumento de 5,8% em relação a outubro do ano passado.

O valor a que os bancos avaliam as casas no âmbito da concessão de crédito à habitação voltou a subir no mês passado e alcançou um novo máximo histórico. Segundo os dados divulgados esta sexta-feira, 27 de novembro, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o valor mediano do metro quadrado fixou-se nos 1.131 euros, o mais elevado de que há registo.

Os valores atribuídos pela banca às casas voltam, assim, a aumentar, depois de, em setembro, terem registado uma estagnação em relação ao mês anterior. Os 1.131 euros por metro quadrado registados em outubro representam uma subida de 0,27% (ou mais três euros) face a setembro e um aumento de 5,8% em relação a outubro do ano passado.

Este comportamento ficou a dever-se exclusivamente à avaliação atribuída aos apartamentos, já que, nas moradias, os valores caíram. No caso dos apartamentos, o valor mediano aumentou em seis euros, fixando-se em 1.239 euros por metro quadrado em outubro. Já nas moradias, o valor mediano diminuiu seis euros, para os 947 euros por metro quadrado.

Estes valores são registados num mês em que foram feitas cerca de 25 mil avaliações bancárias, um aumento de 2,9% em relação ao ano passado.

Madeira volta a subir acima da média

A região da Madeira voltou a ser aquela que registou o maior aumento nos valores da avaliação bancária, enquanto o Centro foi a única região onde foi observada uma redução destes valores. No primeiro caso, a avaliação bancária aumentou em 27 euros, fixando-se em 1.169 euros por metro quadrado. Já no Centro, o valor a que a banca avalia as casas caiu em dois euros, para os 830 euros por metro quadrado.

O Algarve e a Área Metropolitana de Lisboa, por seu lado, mantiveram-se como as regiões com valores mais elevados. No Algarve, a avaliação bancária subiu para 1.550 euros por metro quadrado, enquanto, em Lisboa, aumentou para 1.504 euros.